O CEO da Fender fala sobre a aquisição da PreSonus e o futuro do Studio One

Quando a Fender adquiriu a PreSonus em 2021, as especulações rapidamente se voltaram para o que isso poderia significar para o Studio One, o popular DAW da empresa .

Até agora, tem sido praticamente como sempre, a atualização da versão 5.5 lançada em janeiro foi muito evolutiva, mas em uma entrevista recente ao MusicRadar , o CEO da Fender, Andy Mooney, sugeriu que o futuro do software poderia ser “mais simples, mais intuitivo e menos dispendioso”.

Quando perguntado se a Fender planeja usar a tecnologia da PreSonus para gravar o que é feito para o aprendizado de guitarra via Fender Play (ou seja, torná-lo acessível e fácil de usar), Mooney respondeu dizendo: “Tendo me interessado em gravar, eu nunca encontrei um DAW que eu não precisava de um diploma do MIT para realmente usar. Você não precisa gastar mais tempo descobrindo como usar uma DAW do que criando.

“Então, minha crença era que podemos pegar o talento e o valor da marca da PreSonus e criar o equivalente ao Fender Play para gravação, ou seja, um produto que é globalmente acessível e muito intuitivo de usar.”

Se este produto teórico substituiria o Studio One ou ficaria ao lado dele, ainda não se sabe, mas, dado o que Mooney tem em mente, suspeitamos que seja o último.

“O resumo, se você quiser, para um produto de estúdio de nível básico, seria um equivalente digital de um gravador analógico de quatro pistas, certo? E, de fato, até isso é muito complicado porque hoje em dia com o digital, você pode ter uma guitarra e então apertar um botão e você terá bateria e baixo, então você pode sentar e gravar intuitivamente.”

Se a Fender seguir esse caminho, as comparações serão feitas com o que a Apple fez quando comprou o desenvolvedor original do Logic Pro Emagic em 2002. O Logic foi mantido como o software de produção de primeira linha, mas a Apple usou a experiência da equipe do Emagic para ajudá-lo criar o GarageBand, seu DAW básico, lançado – com uma pequena ajuda de John Mayer em 2004.

No entanto, parece que a plataforma de gravação que Mooney tem em mente é ainda mais fácil de usar do que isso.

“A versão mais simples do Studio One no momento tem um manual do proprietário de 150 páginas, que eu disse à equipe que é 149 páginas demais”, diz ele. “Como você deve ser capaz de sair da caixa, pressione um botão e você está pronto para as corridas. Então, novamente, esse é um resumo muito fácil, mas muito difícil de executar. Mas tem havido uma atração gravitacional dos aficionados para continuar colocando mais e mais recursos em DAWS quando, na verdade, eu acho que você precisa tirar mais recursos, torná-lo mais simples e intuitivo e menos caro.”

Quando esta nova plataforma de gravação será lançada e se será oferecida por meio de uma assinatura no estilo Fender Play ainda não foi confirmado, mas Mooney revelou que a equipe de software alemã que a Fender herdou da PreSonus está “trabalhando nisso agora”.

Via @MusicRadar