Acústica para Home Studio

Vamos focar nos passos que devemos seguir para desenvolver o condicionamento acústico básico do nosso home studio.

Primeiro, para obter alguma base no desenvolvimento do condicionamento, definiremos o valete, o cavalo e o rei dos problemas usuais que surgem em todos os estudos. Estes fenômenos acústicos ocorrem de forma mais acentuada, ou pelo menos tornam-se mais importantes, nos espaços mais pequenos (<25m2), que coincidem com a dimensão habitual de um home studio.

Existem três problemas clássicos que teremos em qualquer estúdio sem tratamento acústico :

Valete: As Reflexões Primárias.

No estúdio vazio, as ondas sonoras emitidas pelos monitores rebatem em todas as superfícies (paredes, piso, teto) da sala; quando essas ondas rebatem nas superfícies mais próximas, atingem nossos ouvidos com alta intensidade e uma pequena mudança de fase em relação à onda direta dos monitores, criando uma sensação de eco. Em alta frequência (agudos), esse deslocamento criará um efeito de filtro combinado distorcendo a resposta de frequência. Essas anomalias são produzidas pelas chamadas reflexões primárias .

Cavalo: Eco flutuante.

O mais comum é que os cômodos de um home studio tenham formato paralelepípedo (quadrado, retangular), ou seja, formam superfícies paralelas entre si. Esta geometria acarreta dois problemas a nível acústico: em primeiro lugar, surge o eco flutuante (flutter echo) , uma vez que a onda sonora salta repetidamente entre superfícies paralelas, dificilmente perdendo intensidade, criando um eco de cauda metálica característico (e desagradável). É fácil de detectar, entre as duas superfícies você bate palmas e rapidamente o tom do golpe fica metálico.

Por outro lado, as formas regulares das salas favorecem a concentração dos modos ressonantes, o Rei dos problemas acústicos.

Rei: Modos ressonantes.

São as frequências de ressonância características de cada sala, consequência da interferência das ondas sonoras (indo e voltando) quando rebatem nas extremidades da sala.

Cada cômodo, dependendo de suas dimensões, geometria e proporções, terá uma série de frequências próprias, nas quais a interferência das ondas criará um vale (se as ondas estiverem em contrafase, elas se anulam) ou um pico. (se as ondas estão em fase, elas se somam), alterando drasticamente a resposta de frequência da sala.

Este fenômeno tem seus efeitos na faixa de baixa frequência (graves) , é fácil de perceber: dependendo da posição de audição dentro da sala, os graves aumentam ou desaparecem em frequências específicas.

[Best_Wordpress_Gallery id=”1″ gal_title=”Acustica”]

Junto com os três fenômenos anteriores e de forma mais global, em um estúdio sem condicionamento acústico teremos um excesso de reverberação que favorecerá os sons de baixa frequência (graves) para mascarar os sons de média/alta frequência, perdendo nuances e gerando em além disso, um ambiente excessivamente animado com falta de clareza.

Bem, uma vez conhecidos os problemas fundamentais, começamos a definir os passos que vamos seguir para determinar o  tratamento adequado para o nosso estudo; para isso contaremos com a seleção de um kit de condicionamento acústico adequado , com o qual lidaremos com as consequências desses fenômenos básicos.

Primeiro passo

Em primeiro lugar, devemos determinar qual será o uso majoritário que nosso estúdio terá, para saber se será necessário um condicionamento acústico focado em um único ponto de escuta, como seria o caso de um home studio para produção, mixagem, etc.  Esse aspecto é importante, pois alterará significativamente a quantidade de material necessário e sua distribuição na sala.

Segundo paso

Com base no uso principal do estúdio e seu tamanho (em m2), utilizaremos a tabela Kit Selection , para selecionar um kit acústico compensado :

O uso da tabela é simples, nas duas primeiras colunas encontraremos os diferentes tamanhos da sala; Vamos pré-selecionar a linha mais próxima do nosso tamanho (em m2). Na linha selecionada, nos moveremos horizontalmente até encontrar a caixa sombreada na cor que determina o tipo de uso do estudo; para um home studio é verde , para uma sala de gravação é azul , etc.

Uma vez encontrada a cor, a caixa que coroa essa coluna define o modelo do kit acústico ajustado. Normalmente para a mesma fila encontraremos duas ou três caixas com a mesma cor, tendo a possibilidade de escolher dois ou três tamanhos de kit diferentes, do menor ao maior.

Então, com qual ficamos?

Vai depender do orçamento, da quantidade de móveis no estúdio, etc. Como regra, siga estas orientações:

  • se você tiver dois kits acústicos possíveis:
    • quarto muito vazio = kit maior
    • sala muito lotada = kit menor
  • se você tiver três possibilidades:
    • geralmente = o kit médio
    • quarto muito vazio = kit maior
    • sala muito lotada = kit menor

Vamos facilitar o acompanhamento com alguns exemplos para servir de guia:

SALA A.  Estúdio de 3,0m de comprimento x 2,6m de largura (7,8m2) que será usado para mixagem/produção, além dos equipamentos usuais, colocaremos um sofá para momentos de inspiração/frustração, uma estante para guardar nossas músicas biblioteca, fiação, gadgets e um armário para lixo que sem saber por que estão sempre lá.

SALA B. Será uma sala de 3,5m x 3m (10,5m2) que será utilizada para gravar diversos instrumentos, felizmente não terá mais do que o necessário para as gravações e um par de cadeiras.

Vamos voltar para a Tabela de Seleção de Kit Acústico:

Esses kits estão a venda no site a skumacoustics, use-o como referência caso não queira importar da Europa. No Brasil em sites como Mercado Livre você encontra materiais parecidos, monte o seu próprio kit baseado nesse artigo.

  • Sala A. É um home studio -> vamos procurar o sombreamento verde ; tem 7,8m2 -> ficaremos na fila de 7,5m2 (a mais parecida) -> podemos escolher entre um kit Junior e um kit Stor . Neste caso, por padrão, iríamos para o kit médioFläkt ), mas como a sala estará muito ocupada com o armário, biblioteca, etc., escolheremos o kit acústico Junior.
  • Sala B. É uma sala de gravação de 10,5m2 -> percorremos a linha de 9,9m2 procurando a caixa azul –> neste caso a recomendação diz-nos o kit maior, Jätte Pack .

Terceiro passo

Bom, aqui já selecionamos um kit básico de condicionamento acústico para o nosso estúdio, mas agora como vamos distribuir o material!?

Vamos voltar à distinção que fizemos no passo 1: um único ponto de escuta ou um tratamento geral de estúdio.

No caso de condicionamento acústico geral , é mais simples, consistirá em distribuir as unidades de bass trap de forma equilibrada em todos os cantos da sala, e os absorvedores acústicos uniformemente nas paredes e teto. Vejamos algumas orientações:

  • Reserve 1/3 dos painéis para o teto e 2/3 para as paredes. Tenha em mente que uma das paredes certamente terá uma porta ou uma janela (colocaremos uma cortina grossa nela), portanto, em uma das paredes, não instalaremos muito material.
  • Os painéis do teto devem ser distribuídos no estilo ‘tabuleiro de xadrez’, para atingir toda a superfície.
  • Em paredes paralelas, desloque os painéis (para que não fiquem de frente um para o outro), assim trabalharemos melhor para evitar o eco flutuante.
  • Em bass traps, se possível, mantenha uma pequena distância (10-20cm) do teto e entre eles ao formar colunas de 2/3 unidades.

Em nossa sala de exemplo, ROOM B (gravação), selecionamos um Kit contendo 36 painéis absorvedores e 12 bass traps. Instalaremos uma coluna de 3 armadilhas funerárias em cada canto da sala; Nos painéis, reservaremos 12 unidades para o teto e usaremos 24 absorvedores para distribuir nas três paredes mais vazias.

Vejamos agora o caso do home studio SALA A, no qual devemos concentrar o condicionamento acústico para obter um ponto de audição neutro que reduza as alterações produzidas pelos fenômenos acústicos que comentamos no início; os kits acústicos são projetados para estabelecer um design baseado na divisão do estúdio em duas zonas: a zona frontal, onde estarão localizados os monitores e o ponto de escuta, será uma zona altamente absorvente (concentrá o material acústico), e a zona zona traseira do estúdio que estará vivo, com quase nenhum tratamento.

Diretrizes gerais de distribuição:

  • Começaremos cobrindo os cantos da área absorvente (frente) com colunas de 2 ou 3 armadilhas de graves, como no caso anterior, deixaremos uma folga em relação ao teto e entre eles (10-20cm). Se o seu kit contiver mais unidades, o restante será movido para os cantos da zona traseira (zona viva).
  • Reservaremos 1/3 dos absorvedores para a parede frontal (que ficará atrás dos monitores) e dividiremos os 2/3 restantes, por ordem de importância: paredes laterais – teto – parede traseira.

A ideia desse tipo de condicionamento acústico é instalar os painéis absorventes nas áreas onde ocorrem as reflexões primárias, ‘limpando’ o ouvinte para obter apenas a onda direta dos monitores, portanto, o material ficará concentrado no ambiente da posição de escuta.

[Best_Wordpress_Gallery id=”3″ gal_title=”Acustica 2″]

Quarto passo

Neste ponto, já sabemos o objetivo do condicionamento (específico ou geral do estúdio), selecionamos também o kit adequado, levando em consideração o tamanho do nosso estúdio, e discutimos em termos gerais como devemos distribuir o material acústico, mas e os detalhes? A que altura instalo o material? onde coloco a mesa? o que eu faço com a janela? Como faço para montar o material?

Focando no home studio (SALA A), teremos que começar por encontrar um ponto onde colocar a mesa, a partir daí o resto da instalação vai girar em torno dessa decisão.

O que devemos procurar para colocar a mesa?

Vamos olhar para a distribuição do estudo, onde a janela e a porta estão localizadas, vamos escolher uma parede frontal (contra a qual a mesa será colocada) procurando que as paredes laterais sejam simétricas. Normalmente, a janela fica na área frontal ou na parede traseira, para que ambas as paredes fiquem limpas e, o mais importante, iguais. O ideal seria que tanto a porta quanto a janela ficassem localizadas na área de estar (atrás) do estúdio, para que não nos incomodem muito, mas como nem sempre será possível, é preferível que o janela fica na frente do que fica em uma das laterais.

Uma vez que tenhamos fixado o que será a parede frontal, colocaremos a mesa no centro dessa parede, de modo que haja a mesma distância da parede esquerda e da parede direita, e não alteramos a imagem estéreo; também deixaremos uma separação de aprox. 20cm da mesa em relação à parede frontal.

[Best_Wordpress_Gallery id=”5″ gal_title=”Acustia 3″]

Uma vez que a mesa esteja instalada, começaremos com os monitores e nossa posição de escuta: isso é simples, os monitores e o ponto de escuta devem desenhar um triângulo equilátero (com todos os lados iguais). Isso significa que aprox. os monitores serão separados uns dos outros cerca de 1m – 1,5m aprox. já que distâncias maiores implicarão que teremos que sentar muito longe da mesa, o que não é confortável para trabalhar!

A colocação dos monitores, de forma clássica, aponta para os ouvidos, mas obtém-se uma melhor imagem sonora se os focarmos um pouco mais para trás (cerca de 50cm); na prática diária não teremos nossas cabeças paradas em um ponto, então nos damos uma pequena margem.

Vamos aos amortecedores laterais, onde os fixamos? Agora que temos a mesa, os monitores e o ponto de escuta localizados, podemos procurar a área onde ocorrerão as reflexões primárias usando uma técnica que você já deve ter ouvido: a técnica do espelho : Fique confortável na posição de trabalho habitual, uma assistente Você deve colocar um espelho na parede, na altura de suas orelhas, e deve mover o espelho horizontalmente na parede até poder ver o monitor refletido no espelho. Nessa zona terão lugar as reflexões primárias e é aí que terá de fixar os painéis absorventes. Como você já deve ter percebido, sempre colocaremos o material na altura das orelhas.

Painéis no teto e na parede traseira, geralmente tentaremos distribuir algumas unidades em cada um deles, mas há exceções, por exemplo:

  • Se o teto for muito alto e a parede traseira não estiver muito distante, é preferível colocar tudo no teto e deixar a área traseira livre.
  • ao contrário, tendo um teto normal e uma parede traseira muito distante, será melhor deixar o teto livre e concentrar os painéis na área traseira, evitando que gere eco. Podemos sempre colocar um tapete sob o ponto de escuta para quebrar o eco flutuante com o teto.
  • pode ser o caso (nos estúdios menores) que a parede traseira esteja próxima, enquanto as laterais estão mais afastadas, nesse caso, os painéis traseiros serão distribuídos entre os dois lados.

[Best_Wordpress_Gallery id=”6″ gal_title=”acustica 4″]

Quinto passo

Determinados os detalhes de distribuição e montagem, vamos começar a trabalhar para começar a consertar o material acústico , com o quê? O mais comum (e recomendado) é usar o Adesivo Skac , pois não é agressivo e pode ser removido de forma limpa quando queremos nos mudar. pano úmido.

Outra opção com maior liberdade para montar e desmontar o material são os sistemas de fixação temporária Fästa (fixação magnética) ou as almofadas Ögla (tipo velcro).

Está acabando!  😯 

Se você chegou até aqui sem desistir pelo caminho, parabéns pela perseverança! Tentamos simplificar, mas quanto texto nos resta!

Esta é uma pincelada com os princípios mais básicos para que você possa entender os fundamentos e ajudá-lo a tomar suas próprias decisões sobre o condicionamento acústico do seu estúdio.

Fonte: Skumacoustics

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.